Porquê Switchfoot não canta músicas cristãs

Padrão

O vocalista Jon Foreman foi perguntado se Switchfoot é uma banda “cristã”. Sua resposta vale a pena ponderar.


Switchfoot vai secular. Mais ou menos.

“Para ser honesto , esta questão me entristece, porque sinto que ela representa um problema muito maior do que simplesmente algumas músicas do Switchfoot. Na verdadeira forma socrática, deixe-me lhe fazer algumas perguntas: Lewis ou Tolkien mencionam Cristo em qualquer de suas séries de ficção? As sonatas de Bach são cristãs? O que é mais semelhante a Cristo, alimentar os pobres, fabricar móveis, limpar banheiros ou pintar um pôr do sol? Há um cisma entre o sagrado e o secular em todas as nossas mentes modernas.

A visão de que um pastor é mais “cristão” do que um treinador de um time de voleibol feminino é falha e herética. A posição que um líder de adoração é mais espiritual do que um zelador é condescendente e falha. Essas vocações e propósitos diferentes demonstram ainda mais a soberania de Deus.

Muitas canções são dignas de serem escritas. Switchfoot escreverá algumas; Keith Green, Bach e talvez você mesmo tenha escrito outras. Algumas dessas canções são sobre redenção, outras sobre o nascer do sol, outras sobre nada em particular: escritas pela simples alegria da música.

Nenhuma dessas músicas nasceu de novo, e nesse sentido, não existe tal coisa como música cristã. Não. Cristo não veio morrer por minhas músicas, ele veio por mim. Sim. Minhas músicas são uma parte da minha vida. Mas, julgando pelas Escrituras, só posso concluir que o nosso Deus está muito mais interessado em como eu trato os pobres, os quebrantados e os famintos, do que com os pronomes pessoais que eu uso quando eu canto. Eu sou um crente. Muitas dessas músicas falam sobre essa crença. A obrigação de dizer isso ou fazer aquilo não soa como a gloriosa liberdade que Cristo morreu para me dar.

No entanto, eu tenho uma obrigação, uma dívida que não pode ser quitada por minhas decisões líricas. Minha vida será julgada por minha obediência, e não por minha capacidade de limitar as minhas letras nessa ou naquela caixa.

Todos temos vocações diferentes; Switchfoot está tentando obedecer ao que fomos chamados. Não estamos tentando ser Audio Adrenaline ou U2 ou POD ou Bach; estamos tentando ser Switchfoot. Uma canção que tem as palavras “Jesus Cristo” não é nem mais nem menos “cristã” do que uma instrumental (já ouvi muita gente dizer “Jesus Cristo” e não estavam falando sobre o seu redentor). Jesus não morreu por nenhuma de minhas músicas. Portanto, não há hierarquia de vida ou músicas ou ocupação, só há obediência. Temos um chamado para tomar a nossa cruz e seguir. Podemos ter certeza de que essas estradas serão diferentes para todos nós. Assim como você tem um corpo e cada parte tem uma função diferente, assim também, em Cristo nós, que somos muitos, formamos um só corpo e cada um de nós pertencemos uns aos outros. Por favor, seja lento em julgar “irmãos” que têm um chamado diferente.”

Fonte: http://ctkblog.com/2013/12/05/why-switchfoot-wont-sing-christian-songs/

˜˜˜

Você tem sido  fiel ao Senhor em todas as  áreas da sua vida?

Precisamos perder  essa visão dualista de viver. Tudo é para o Senhor.  Vivendo integralmente.

Anúncios

62 comentários sobre “Porquê Switchfoot não canta músicas cristãs

  1. Rafael

    Viajou na maionese. Uma coisa é dizer que um cristão que seja cantor/compositor não tem a obrigação de fazer músicas que falem sobre a vida cristã (o que eu concordo). Outra coisa é dizer que uma música pode ser cristã apenas por sua beleza musical. Concordo que não há problema algum no Switchfoot ou qualquer outra banda que seja de pessoas convertidas fazer músicas que não mencionem sua fé, desde que não ensinem também o que está errado. Mas não concordo com a idéia de serem iguais todas as músicas e todo esse blá blá blá filosófico que não define nada. Acho que são precipitados mesmo os que julgam a banda chamando-a de herege ou pecadora ou sei lá mais o que porque ela resolveu fazer músicas sem referência ao cristianismo. Ao meu ver, isso não é pecado. É apenas um desperdício… já que poderiam estar cantando coisas mais importantes. Mas chamar isso de pecado é exagero.

    • André

      Desperdício? Esta aí o perigo do pensamento de englobar a arte em um segmento cristão. O perigo de achar que a música TEM que ter um fim evangelístico para ter um sentido maior. Mas, falando artisticamente, a arte não precisa de justificativas para ser criada, isso inclui as cristãs. Música é ARTE, assim como escultura, desenho, um projeto arquitetônico.. são livres e igualmente válidas em suas expressões. Se expressamos a arte a expressamos pois somos seres pensantes e ao fazer isso mostramos nossa semelhança com Deus. Uma música ruim que tem letra evangelística não é melhor artisticamente que uma música boa que fala do mar, por exemplo. Pra igreja tem mais uso, concordo, mas isso não define nada seu papel como arte perante ao mundo.

    • Concordo com ele. Pelo que entendi, ele diz que músicas não têm religião. Elas são músicas. O que vale não é “apenas” o que se canta, mas também como se canta. O verdadeiro louvor e a verdadeira adoração estão no espírito, afinal, Deus vê o nosso coração.

    • Pois é, amigo. Acho que você não entendeu nada do que o Foreman quis dizer. Você acha realmente desperdício falar da vida, da natureza, sobre amor e outras coisas chamadas de “secular”?? Você acha realmente que existe MAIS IMPORTÂNCIA nos aspectos “espirituais” da vida do que outros? Existe mesmo essa hierarquia nas esferas das coisas que Deus criou e, no final de cada uma delas, disse que era BOM? Na verdade as Escrituras nunca promoveram essa hierarquia de Natureza e Graça. Tudo era integral e tudo era sagrado na cosmovisão dos escritores da Bíblia, tanto o estar “nos átrios do Senhor” quanto o pardar que encontrou casa no templo, tanto o ato da criação quanto o “leãozinho que sai para caçar a noite”, tanto a adoração no templo quanto o “sair do homem para o seu trabalho e para o seu encargo até a tarde”… tudo isso é chamado pelo salmista de “variedade das OBRAS DE DEUS”. Tudo isso é obra de arte do verdadeiro e sumo artista da criação, que fez tudo para SUA glória e a simples existência de tudo É para o seu louvor (Sl 104, Ef 2, Cl 1, etc.). E isso se manifesta no que fazemos também. Ser pastor não é mais cristão do que ser um faxineiro. O ministério integral não é “mais importante”, é só mais um chamado que glorifica a Deus como o outro. Enfim, quer ser mais espiritual? Imite Deus, que é Espírito, começando por suas atividades em Gn 1: seja criativo, racional, trabalhador, emocional, descanse, admire, comunique-se. Não é atoa que os primeiros mandatos de Deus não têm nada a ver com salvar almas, mas com cultivar a terra (criar culturas, objetos, artes, etc.), lidar com o próximo e manter-se obediente a Deus.
      Grande abraço, em Cristo Jesus!
      Jaime Júnior

    • Wandemberg

      Não se preocupe, a maioria pensa assim por causa do ranço que as leis das igrejas criam e encravam em suas mentes, como uma “lavagem cerebral”. Uma música tem sim seus fundamentos, ele está certo nesse ponto, se ela é para louvor não tem outra função, se ela é uma dedicatória ou poesia, também é distinta para seu fim e por assim vai. Quanto a crença de cada um é pessoal, ninguém precisa sair falando escancaradamente o que acha ou pensa quando se é cristão, mas sim agir como o tal. Assino em baixo o que ele disse.

    • Eu concordo com tudo que o Rafael falou. Vejo neste texto algumas contradições. Ele fala sobre uma liberdade de escrever sobre qualquer coisa, mas eu vejo nele um empenho para evitar falar diretamente sobre Jesus, como se ele quisesse evitar simplesmente para não entrar na “caixa” da música cristã. Eu não vejo liberdade nisto. É interessante também ver como ele fala que tem uma dívida com Cristo que não pode ser pagada com letras. Mas eu acho que o mínimo que um ser um humano pode fazer é dedicar louvores à Ele. E ele fala também sobre ajudar pobres e famintos, e que isto é muito mais importante que letras. Será que ele já pensou que interessante seria fazer os dois? As letras do Switchfoot tem sim boas mensagens, mas eu entendo o que o Rafael quer dizer com desperdício. Os caras tem ótimos dons, e grande influência, que poderiam ser muito úteis a Deus com uma pregação mais direta, caso dedicassem algumas músicas à isto. Não é dedicar todas, somente algumas. Mas as letras são deles, eles escrevem como bem entenderem, e infelizmente, parece ser mais importante para ele fugir do rótulo cristão do que falar de Cristo.

      • Lucas

        Acho que você nunca ouviu os álbuns solo dele pra falar esse tipo de coisa. No álbum solo ele fala claramente sobre Deus e Cristo. Mas você está esquecendo que o rótulo cristão afasta as pessoas e bandas como switchfoot tem seu papel, pois são capazes de atrair pessoas que depois descobrem que a banda é formada por cristãos e então começa a reparar nas entrelinhas das letras. Eu mesmo fui convertido escutando a música everything do Lifehouse, e esta pode ser facilmente confundida com uma música romântica, Deus usa todas as coisas, nem todas as pessoas precisam ser iguais, nem as bandas. É muito mais fácil mostrar esse tipo de música pra amigos o e quando eles se amarram você fala que a banda é cristã, eles demonstram mais respeito no final. Tenta mandar uma música da Aline Barros pra um amigo pra ver se ele vai gostar.

      • Mauricio

        Mas ai que esta, só por que não usa Deus na musica a musica não fala de Deus??? um pregador diz uma frase que eu acho sensacional “pregue o evangelho sempre quando preciso use palavras” acho que se encaixa perfeitamente, o que entendi é que ele diz sobre os rótulos que colocam, Tudo é Dele e por Ele,quantas musicas que não são nem de cantores “gospel” pode trazer uma mensagem que te faz refletir no amor de Deus?? agora quantos “Louvores” ouvimos ai que esta engrandecendo mais o eu , com uma teologia totalmente distorcida e até mesmo erradas, porém, como fala no meio da musica Jesus Cristo deixamos passar….

    • Pecado é transgressão da Lei de Deus diz a palavra. Pecado é tudo que te separa de Deus. Diz a palavra “quem me negar diante dos homens será negado diante de DEus”. “Ninguem pode servir a dois Senhores”. “Tudo é para a glória de Deus”. “Quer vivamos, quer morramos somos Dele”. Deus não precisa de nós, nós precisamos Dele, Mesmo assim ele nos quer muito. “não quer que nenhum pereça mas que Todos chegue ao arrependimento” Tuas palavras foram quase perfeitas, mas se tornaram tão vazias, quanto as do músico. pense nisto. “conhecereis a verdade e a verdade te libertará” De que lado estamos ???? Abraços

    • Sanderz

      Vc já pensou quanta coisa na sua vida, na minha vida e na da grande maioria é desperdício? Mas o que é desperdício? Viver exercendo seu talento, desfruta-lo, trazer alegria, questionamento ou simplesmente entretenimento a quem é impactado? Isso é desperdício? Quem somos nós para julgar e pre-definir o quanto nossos atos estão ou não preenchendo a cota do “viver cristão”? Deus não julga quantidade, % do tempo que se usa para falar seu nome. Sim, talvez viver 24hs falando de Jesus dê “galardões” extras, porém não são nossos atos “trapos de imundícia”? Quem somos nós para dizer “é o suficiente”? Deus enxerga corações, mentes, E Ele abunda em graça para nos agraciar com tempo e talento para desfrutar a vida que ele nos deu. Não uma vida etérea, hermética e sem graça. Mas uma vida neste mundo, que sim tem sua infinidade de males, mas também seu quinhão de beleza. E Deus nos lembra que este mundo foi desenhado por Ele para nosso desfrute. Então, o que o Switchfoot faz pode não ser tão “crente” quanto o que um pastor faz, em quantidade. Mas pode ser muito mais para Deus, em termos de autenticidade e honradez. Mas quer saber? Deus não julga entre um e outro, Ele julga você contra o que Ele espera de você. E isso, é o que você deve buscar descobrir e seguir dia após dia. Viver ao máximo a vida que Ele te deu.

  2. Silmara Machado de Campos

    Concordo com as palavras desse jovem, sou cantora lírica e muitas vezes tenho de cantar músicas como arte e porque não dizer que é para o meu próprio sustento.

  3. Brilhante, real e direto ao ponto. Pode ser transposto para a vida no nosso dia a dia, igual para todos mas considerado pela maioria dos “cristãos de carteirinha” como privilégio deles. Em sua imensa maioria só “praticam o bem” sob a luz dos holofotes, em casa ou no trabalho, lembrando bem os fariseus. Desmistificando idéias de que seremos salvos de qualquer forma; mesmo sendo canalhas com os outros de fora da Igreja e “bonzinhos” para os que professam das nossas idéias, nada divinas na maior parte do tempo. Não há cristandade em puxar o tapete dos colegas de trabalho; não é uma atitude cristã mas é praticada diuturnamente por aqueles que brandem a Bíblia e se acham naquele direito de tal para “salvarem a própria pele” mesmo que para tanto tenham que “reinterpretar” a Bíblia. Não há cristandade nisso. Parodiando o Wesley Lima “Ler a Bíblia não nos imuniza. Somente um coração terno e um amor pelo Senhor nos capacitarão a entender as Escrituras que lemos”.. Vejamos a beleza da posição do Switchfoot: “Mas, julgando pelas Escrituras, só posso concluir que o nosso Deus está muito mais interessado em como eu trato os pobres, os quebrantados e os famintos, do que com os pronomes pessoais que eu uso quando eu canto. Eu sou um crente.” ou “No entanto, eu tenho uma obrigação, uma dívida que não pode ser quitada por minhas decisões líricas.” Verdades diretas de quem vive o / do seu trabalho sem rotulá-lo para fins mercadológicos.
    Obrigado pelo espaço e que a Paz do Senhor esteja com todos…

  4. Triste… Muito triste ver cristãos em evidência que em vez de usar essa evidência pra glorificar o nome de Cristo, como oferta a ele, resolvem se omitir.

    Jon poderia perfeitamente usar o seu exemplo para mostrar como Deus é bom, mas preferiu se omitir. Pedro quando fez isso ao menos se arrependeu e chorou, hoje nem mais isso se vê.

    “Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo” (2a Tim. 4.2)

    “E por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, padeceu fora da porta.
    Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério.
    Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura.” (Hebreus 13:12-14)

    Se nós conhecemos o evangelho hoje é porquê as gerações passadas seguiram o ide de Marcos 16: “IDE E PREGAI O EVANGELHO A TODA CRIATURA”, e fizeram isso sem levantar nenhuma objeção. Apenas iam.

    Qualquer ensino que vá contra isso deveria ser descartado.

    • Um arquiteto cristão só pode fazer casas, prédios cristãos? Um jardineiro só pode trabalhar em jardins de cristãos? Um sapateiro só pode fazer sapatos para cristãos? Pq que com a música tem que ser diferente? Vc ta acusando Foreman de que ele não evangeliza? Vc o conhece? Ja viu os trabalhos fenomenais que ele faz pela causa do evangelho?
      Irmão deixe de mimimi e conheça o poder libertador do Evangelho. Devemos sim pregar em tempo e fora de tempo, mas é pregar e não cantar rs. Boa tarde, leia a Bíblia e seja livre!

      • mjvbh

        Wesley, creio que você cometeu um grave erro de distinção entre um meio de comunicação de idéias (letra de uma música) e um meio de habitação ou abrigo de algum serviço para fazer tal comparação. Além disto o texto do Jon está eivado de outros pressupostos questináveis que demandam um tempo e espaço mais adequado para o tratamento. No geral há de fato muito blá, blá, blá filosófico vazio, contudo muito válido por provocar uma boa reflexão, assim como a sua resposta ao “pensadorhumile”. Abs.

    • Wandemberg

      Mas ele não está pregando porque este é o lado profissional dele. Quanto ao lodo pessoal religioso, ele mesmo cita que ajudar necessitados, viver o evangelho em si, vale mais do que apenas fazer letras contendo aquilo definido como “pregação” por muitos. Olhe para os artistas Go$$$$pel’s por exemplo, não se um mover de palha na maioria deles, além de terem uma mente tão bitolada,a ponto de escrachar uma música que fala de amor ao próximo. Prefiro aqueles que agem em silencio, sem busca de aparições públicas e sem egocentrismo. Hipocrisia é o que temos de prato cheio nesse meio e ele foi totalmente sincero!

  5. Ele simplesmente definiu o que eu penso e como eu busco ser. Já vi músicas `cristãs` mencionarem Cristo de forma a promover suas intenções e sentimentos que não condizem com uma vida verdadeiramente cristã. E também já ouvi músicas de quem não é religioso e que expressam valores bíblicos, de forma mais bela e coerente do que muitos crentes.

  6. Larissa L.

    Creio que o ponto central da questão não é se você ou eu somos uma(o) arquiteto, cantor, engenheiro, e etc… O mais importante na verdade é o que fazemos com isso, é o que fazemos com nossas vidas. Na parábola dos talentos Jesus nos deixa claro que um dia haveremos de prestar contas a Deus de tudo o que ele nos deu. E isso se aplica a tudo em nossas vidas. Deus nos deu dons, inteligência e uma vida pra viver e somos responsáveis por isso. Somos responsáveis pelo que fazemos ou não fazemos com o que Deus nos deu. O fato de alguém ser um professor ao invés de um pastor, não lhe impõe menos responsabilidade de espalhar e viver o evangelho. Quando digo a palavra ‘responsabilidade’ não estou falando de obrigação, de fazer as coisas como se fossem um fardo terrível, mas estou me referindo ao senso voluntário de responsabilidade que cada um de nós deve ter a respeito da sua própria vida, me refiro a olhar para nossa vida com sensatez. A Bíblia também diz: “Porque Dele, por Ele e para Ele são todas as coisas”. Se eu entendo que todas as coisas e que toda a minha vida e tudo o que sou e tenho pertence a Ele, isso me leva a enxergar que minha vida e meus dons pertencem a Ele e isso me leva a querer usar tudo o que tenho (inclusive minha profissão e demais áreas da minha vida) para glorificá-lo. Volto a dizer, não se trata de uma obrigação, se trata de cada um de nós perceber isso. O Jon prestará contas a Deus do que fez de sua vida tanto quanto nós. Então creio que refletir a respeito desse assunto cabe não apenas ao Jon mas a nós também. Então a pergunta é: Mas e nós, o que estamos fazendo com nossas vidas? Não importa se Deus nos deu uma ou cinco dádivas, o que estamos fazendo com o que Deus nos deu? Talvez o que o Jon esteja fazendo de sua vida e carreira seja um desperdício, mas talvez nós estejamos fazendo o mesmo. É como a Bíblia diz, devemos primeiro tirar a trave em nosso olho para depois tirarmos o cisco do olho do nosso irmão. Vamos refletir a respeito de nossas vidas. Abraço a todos!

  7. Larissa L.

    Só para complementar o raciocínio do meu comentário, não se trata de agradar a homens, se trata de agradar a Deus com nossas vidas, de honrá-lo com tudo o que somos.

  8. O interessante é que o Rodolfo Abrantes que era o mais pervertido largou tudo o que tinha e fazia, para hoje, falar de Cristo. Chama atenção o número de bandas boas, com potencial e que “são covardes” para falar do amor de Cristo.

      • mongedecristo

        Wesley, pense por favor, que a obra, o evangelismo, o louvor, etc… estão na pessoa, quando Jesus disse “pelos frutos conhecereis a árvore” ele estava falando de quem se deveria conhecer, ou seja, o mais importante é a árvore, e não o fruto. Só que, se o Switchfoot estiver pensando corretamente, eles estão dando um tiro no pé, pois se eles vivem de fato o cristianismo e isso não permeia as suas canções, então suas canções não são a melhor coisa que eles fazem, logo eu também não vou valorizar essas canções, caso contrário eles fazem coisa melhor que pregar o evangelho “mistério esse que até os anjos anelam perscrutar”!!!
        Pra mim eles deram um tiro no pé!!!

    • Cada um possui sua própria experiência de fé e prática… Rodolfo pode ter sentido incomodado a tal ponto de ter que tomar tal decisão, mas não é por isso que devemos pegar a atitude de uma pessoa em específico e querer aplicar a todas as outras…

  9. patricia angela

    mto bla bla bla, quem sabe da sua vida com DEUS é a propria pessoa, é uma intimidade com ele que nao interessa a ninguém. sigamos a cristo, sem nos preocupar com o alheio.
    eu gostei da resposta do cara da banda!

  10. Luciano

    Toda essa enrolação, toda essa volta só pra falar q ñ cantam pq ñ querem? Era só falar:”Somos uma banda, temos um contrato com uma gravadora. Nosso foco é profissional”. Pronto.

    • Marcos Gomes

      Não sei de que ano foi essa entrevista, mas não mt tempo atrás a banda fez um álbum independente, e as letras continuaram com o mesmo caminho. “Hello Hurricane”. Logo após voltaram com uma gravadora que tem bandas cristãs, continuaram com o mesmo caminho. Um mínimo de conhecimento sobre a banda anula seu comentário.

  11. mongedecristo

    A obra do cristão nessa terra, o evangelismo, o louvor, etc… estão na pessoa e não em sua arte! Quando Jesus disse: “pelos frutos conhecereis a árvore” ele estava falando de quem se estava realmente querendo conhecer, ou seja, o mais importante é a árvore, e não o fruto. Só que, se o Switchfoot estiver pensando corretamente, eles estão dando um tiro no pé, pois se eles vivem de fato o cristianismo e isso não permeia as suas canções, então suas canções não são a melhor coisa que eles fazem, logo eu também não vou valorizar essas canções, caso contrário eles fazem coisa melhor que pregar o evangelho “mistério esse que até os anjos anelam perscrutar”!!!
    Pra mim eles deram um tiro no pé!!!

  12. marcelo

    Se a música louva qualquer outra coisa a não ser Cristo , então é só música não tem proveito algum . Paremos de separar Cristo de algumas áreas da nossa vida , temos que nos entregar por inteiro a ele. Lembra de Josué ? O povo mais uma vez queria relativizar as coisas, uma vez que já estavam confortáveis em suas respectivas terras . Porém, Josué, não negociou os valores do reino e disse que se eles quizessem poderiam viver do jeito que bem entendessem e fez uma declaração , ” Eu me minha casa serviremos ao Senhor”.Não gosto de julgar sem saber , sem conhecer, sem conviver, é bem difcil fazer isso. Mas não tem o menor sentido , a Cruz sem Cristo ou Cristo sem Cruz . Um coisa está atrelada a outra, temos que cantar Cristo , andar com Cristo,ou seja, as minhas canções têm que refletir as minhas ações, não tem com separar isso. Temos que tomar cuidado com esse relativismo que estamos encontrando por ai, o qual tem pregado um evnagelho sem Cruz e sem Cristo .
    Deus nos abençoe e nos dê discernimento nesta caminhada , abraço a todos.

  13. Pingback: Musicas cristãs.
  14. É triste ver os comentários de um post tão esclarecedor quanto este, ser inundado por cristãos fundamentalistas que creem num Jesus que só suas bocas professam, ao invés de encarná-lo de fato através de suas vidas! Tenho certeza de quem 100% das pessoas que criticaram neste post a postura do SwitchFoot, tem vivido seu “cristianismo de domingo” achando que de fato é isso que Jesus deseja.

  15. Marcos Gomes

    Jesus faz parte da vida deles também, então eles também escrevem músicas com esse tema, só que também falam sobre outras coisas. Realmente, eles não falam “Jesus” em nenhuma que eu me lembre agora, mas falam do amor Dele, falam com Ele, etc… É só analisar as letras, algumas vão ser sobre nada, outras sobre pensamentos de agostinho e sócrates, outras sobre amor, sobre a vida, enfim, eles abordam vários temas. Mas ele não excluiu Jesus da entrevista, ele só n escreve apenas músicas com esse foco. Enfim… Não estou aqui para ficar criando um super texto, então paro por aqui.

  16. dos absurdos que jah li esse eh um dos maiores, mentira camuflada de verdade, ele msm disse que: Jesus não morreu por minha música, morreu por minha vida, e tudo bem que a música faz parte da minha vida…

    Se Ele morreu por tudo, seja a música ,fritar um ovo, comer um pão, escovar os dentes em tudo temos que adorar ao nosso Salvador…

    Quanto ao que ouvir o Cristão deve discernir para ouvir não ouvir para discernir, deve regar sua existência de coisas que o edifiquem, e contribuam para sua santificação e missão de evangelismo.

    aiai…

  17. O que ele está tentando dizer, é que eles são cristãos, porém não usam rótulos pra definir sua música. Acho que a resposta dele foi essa pelo fato de está sendo criticado pelo entrevistador. Música é música. E não é uma propriedade exclusiva como ferramenta de culto e adoração. Tá na hora do povo cristão ser renovado de todo o seu entendimento. Faço o mesmo que ele. Tem uma banda, somos cristãos mas não usamos rótulos algum. E tenho muito testemunho pra dar por conta dessa postura.

  18. Michael Johns

    Fui criado no evangelho, mas boa parte da minha vida ouvi músicas seculares até porque tinha vergonha de ser Cristão, chegou um tempo em que me toquei do motivo pelo qual fui criado, adorar aquele que me criou, agora sem vergonha alguma de dizer que sou Cristão, entendi algo, porque cantar músicas seculares, se posso adorar a DEUS com todas as letras. pra mim isso é desculpa para poder vender…

  19. ricardo

    Rosa de Saron tem belas músicas e nem sempre fala a palavra Cristo. Este está no coração. Sempre no coração e nas canções que levam a paz.
    Rosa de Saron, a melhor banda de rock cristã do mundo! rs

  20. O problema de hoje é confundirem música com louvor! A música pode ser um louvor, mas o louvor não é só música. Na bíblia diz pra louvarmos com música, dança e o mais importante: com atitudes!
    Há música para adoração (mais espiritual) e há música para o lazer (letras que falam da vida cotidiana, da beleza de Cristo nas coisas simples). Ouvir adoração 24h por dia não te deixa mais espiritual, e sim sua intimidade com Deus!
    Esses caras, como tantos outros, tem um chamado bem mais profundo que simplesmente agradar o ouvido de “crente” com músicas que alimentam seu ego. Evangelismo musical, se é que assim podemos chamar. Porque evangelizamos os de dentro ou os de fora? 🙂
    Abraço e paz.

  21. Toti...

    O músico é inspirado a compor pelos temas que estão em sua volta, temas que estão expostos em sua rotina, agora parece que o cristão tem q seguir uma métrica de composição com certas palavras chaves para ser considerado cristão, ai são essas : fogo, chuva de bençãos, arde em mim, senhor…,,,, Jon foreman é um kra honesto, ele compoe o que vive,,, e o que sente,,, ele não compoe para agradar pessoas,,, se a música é uma expressão interna da criatividade e emoções do homem, por meio de ritmo, melodia e harmonia,,,, como vcs querem criar rótulos?

  22. Michelle

    Isso não tem o que discutir, é totalmente indiscutível. A palavra do Senhor é incontestável ! A musica foi criação do Todo Poderoso e canção (música) é louvor onde somente Ele é adorado. “Porque dEle, e por meio dEle, e para ele são todas as coisas. A Ele, pois, a Glória eternamente. Amém!” Romanos 11:36. FIM !!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s